Junho de 2015 teve um dia útil a mais, comparado com 2014, devido a Copa do Mundo, o que favoreceu a maioria dos setores do varejo e levou a uma retração menos intensa nas vendas.

O setor de supermercados, contudo, não conseguiu se beneficiar desse elemento e intensificou o ritmo de queda entre os meses de maio e junho, diferentemente de outros setores que tiveram uma melhora interanual.

Uma explicação se deve a ser um setor ligado à renda, e como a massa salarial vem caindo com o desemprego, contribui para um impacto maior nesse grupo, que geralmente resiste a variações, mas vem sucumbindo às quedas consecutivas na renda.

No geral, o comércio varejista teve queda de 2,7% em junho comparado ao mesmo período do ano passado. Em maio, o recuo havia sido de 4,5% na comparação interanual.