As vendas do setor de varejo brasileiro tem estimativa de queda de 1,2% no 3° trimestre de 2015 em comparação com o 2° trimestre, segundo a projeção do Programa de Administração do Varejo da Fundação Instituto de Administração (Provar-Fia) e do Instituto Brasileiro de Executivos do Varejo (Ibevar).

Segundo o professor Cláudio Felisoni de Angelo, a retração é esperada em razão de uma combinação de fatores negativos para o consumo: “a redução da massa de rendimentos real, redução do poder de compra diante da inflação e temor dos consumidores com o emprego afetam as projeções”, diz.

Na amostra de 500 consumidores do município de São Paulo, a percepção combinada das pessoas indica que a sensação é equivalente a de uma elevação de 48,9% da taxa de desemprego, enquanto no terceiro trimestre de 2014 essa ainda era uma preocupação menos relevante.

O estudo também faz referência a redução do poder de compra da população. A parcela do orçamento da população que está disponível para compras sai de 11% na pesquisa do 3° trimestre de 2014 para 6% agora, chegando a conclusão que houve uma queda no quantitativo de consumidores dispostos a comprar em todas as categorias de produtos duráveis. As categorias, que incluíam linha branca, móveis, eletrônicos, vestuário, entre outros, todas estão com intenção de consumo inferior à média histórica desde 1999.

Destes itens, podemos citar os de cama, mesa e banho como tendo a maior queda na intenção de compra, com redução de 73% na comparação com 2014, seguindo-se nessa lista pelos eletroportáteis, reduzindo 62,6% e automóveis e móveis, para 49,4%.

Fonte: Portal Exame